“NOSOTROS OU OS PRISIONEIROS DO AMOR

Nosotros ou Os Prisioneiros do Amor

SINOPSE

O texto de Perito Monteiro aborda de uma maneira diferente os conflitos de um triângulo amoroso.

A trama parte de uma superposição de realidades, num divertido jogo de metalinguagem. A rádio-novela passa de pano de fundo para o foco central com o desenvolvimento do espetáculo. Ouvintes e personagens da rádio-novela se confundem, dando aos atores uma rica oportunidade de interpretação, passando por mudanças que vão, desde mudança de época, até mudanças de comportamento das personagens, dentro e fora da rádio-novela, nos vários níveis das realidades.

As personagens são as irmãs Ângela e Maria e o radialista Orlando Sílvio. Maria, retraída e caseira, passa o dia ouvindo rádio e escreve para um concurso promovido por Orlando Sílvio. Sua carta é sorteada (na verdade, foi a única enviada) e ela ganha um jantar com seu ídolo. Não tendo coragem de se expor, pede a sua irmã, uma descolada sacoleira, que vá em seu lugar, e aí começa toda a confusão. Ângela apaixona-se, Orlando conhece Maria e fica dividido.A história se desenvolve numa linguagem que se apropria das convenções melodramáticas de uma maneira muito divertida: troca de identidade, bilhetes, veneno, punhal, frases trágicas e… muita canastrice.  E a ”canastrice” de Orlando Sílvio já aparece em suas próprias falas, que, construídas por trechos de canções, causam um certo estranhamento que se esclarece na revelação de que vivem uma rádio-novela, escrita por ele. E é na tentativa de manter o controle sobre tudo que a situação sai de seu controle: Ângela e Maria rebelam-se, revelando-se que a estória seguida até ali é a rádio-novela, que ainda trará mais surpresas!

CURRÍCULO DO ESPETÁCULO

O espetáculo é resultado de um projeto premiado pelo Fundo de Cultura do Município de Santo André, que financiou sua montagem.

ESTRÉIA: maio de 2002 com apresentações em:

– Teatro Municipal de Santo André;

– Escola Livre de Teatro e em Centro Comunitário de Santo André;

– Teatro Elis Regina, em São Bernardo do Campo

TEMPORADAS:

–     Centro Cultural São Paulo (São Paulo) de 21/06 a 21/07/2002;

Teatro Jardim São Paulo – Temporada inaugural (São Paulo), de 27/07 a 29/09/2002.

APRESENTAÇÕES AVULSAS:

– Teatros Cacilda Becker, Elis Regina e Abílio Pereira de Almeida, em S.B.Campo (2003)

– Apresentações de inauguração do Teatro Humboldt em Interlagos (São Paulo – 2003)

– Temporada de Teatro CONSORTE 2006-7.

– Apresentações nos Centros Unificados de São Paulo (CÉUS) (2008-11).

– Apresentações nos teatros Lauro Gomes e Elis Regina, 2011-12;

– Apresentação em Botucatu em 29/04/2012.

PROPOSTA DE ENCENAÇÃO

CONCEPÇÃO

Nosotros é a primeira montagem de texto adulto pela Cia. Pic & Nic Núcleo 2. E, justamente por isso, foi escolhido com muito cuidado, pois procurávamos um texto que nos desse oportunidade de  colocarmos em cena aspectos que sempre foram muito importantes para nós. Entre estes aspectos, o mais importante é o mais abundante em Nosostros: O JOGO!

Nossa companhia tem a tradição de trabalhar com pesquisa de linguagem lúdica, ou seja, o jogo entre os atores, dos atores com a encenação e com a platéia. Por conseguinte, vamos beber em várias fontes  de  estéticas populares: os clowns, o circo-teatro com seus melodramas e o teatro musical. Os atores envolvidos neste processo estão totalmente familiarizados com estas linguagens, todos cantam, já atuaram em diversos trabalhos como atores e diretores, e, com este material humano, nossa disciplina de montagem será a de fazer todo o trabalho de mesa, onde se juntarão todas as pesquisas musicais, de roupa e imagens que direcionarão a estética própria de NOSOTROS.  Em resumo, todas as sugestões, imagens e vontades serão colocadas de antemão e, a partir de então, os dois diretores, Edu Silva e Daniele Pimenta farão a definição da direção a ser tomada em cada cena, amarrando assim, nos ensaios, todos os itens de encenação em torno desta unidade estética já definida pelos dois.

O TEXTO

O texto de Perito Monteiro aborda de uma maneira diferente os conflitos de um triângulo amoroso.

A trama  parte de uma superposição de realidades, num divertido jogo de metalinguagem. A rádio-novela passa de pano de fundo para o foco central com o desenvolvimento do espetáculo. Ouvintes e personagens da rádio-novela se confundem, dando aos atores uma rica oportunidade de interpretação, passando por mudanças que vão, desde mudança de época, até mudanças de comportamento das personagens, dentro e fora da rádio-novela, nos vários níveis das realidades.

As personagens são as irmãs Ângela e Maria e o radialista Orlando Sílvio. Maria, retraída e caseira, passa o dia ouvindo rádio e escreve para um concurso promovido por Orlando Sílvio. Sua carta é sorteada (na verdade, foi a única enviada) e ela ganha um jantar com seu ídolo. Não tendo coragem de se expor, pede a sua irmã, uma descolada sacoleira, que vá em seu lugar, e aí começa toda a confusão. Ângela apaixona-se, Orlando conhece Maria e fica dividido.

A estória se desenvolve numa linguagem que se apropria das convenções melodramáticas de uma maneira muito divertida: troca de identidade, bilhetes, veneno, punhal, frases trágicas e… muita canastrice.  E a ”canastrice” de Orlando Sílvio já aparece em suas próprias falas, que, construídas por trechos de canções, causam um certo estranhamento que se esclarece na revelação de que vivem uma rádio-novela, escrita por ele. E é na tentativa de manter o controle sobre tudo que a situação sai de seu controle: Ângela e Maria rebelam-se, revelando-se que a estória seguida até ali é a rádio-novela

E O BREGA IMPERA…

A estética do espetáculo é brega! Tanto cenários quanto figurinos, material gráfico e sonoplastia seguirão a divertida estética das toalhinhas de crochê  e do pingüim de geladeira.

É importante deixar claro, desde o início do espetáculo, que as duas irmãs moram juntas mas têm personalidades totalmente diferentes. A solução foi encontrada destacando-se os elementos mais representativos destas personagens, assim, a casa terá elementos de papelão, das caixas trazidas por Ângela, a “muambeira”, decorados por enfeites e objetos escolhidos por Maria, a irmã “carola”, ambas contribuindo com suas diferentes “modalidades do brega”, compondo, por exemplo, uma pitoresca mesinha onde um telefone em acrílico dos camelôs repousa sobre a toalha de crochê cor-de-rosa.

Os figurinos, farão uma brincadeira com as modas lançadas pela jovem guarda e depois, na época das discotecas, trazendo ao palco aquela diversidade de cores, estampas e formas tão pitorescas.

O universo radiofônico será explorado também em suas possibilidades sonoras: a trilha sonora está sendo pesquisada para que o espetáculo seja preenchido tanto por músicas quanto por efeitos sonoros. Nesse sentido, os atores poderão aproveitar suas potencialidades na execução da sonoplastia, na exploração da expressão vocal na rádio e na execução de músicas, que cantarão e tocarão ao vivo.

FICHA TÉCNICA COMPLETA

Texto……………………………………………………………………Perito Monteiro

Direção………………………………………………..Daniele Pimenta e Edu Silva

Cenografia, iluminação e figurinos…………………………………….Edu Silva

Sonoplastia, direção musical e coreografias………………Daniele pimenta

Operação de luz……………………………………………………….Carlos Camargo

Operador de som…………………………………………………..André de Peroli.

Elenco

Ângela…………………………………………………………………. Vívian Maria Maria……………………………………………………………………Daniele Pimenta

Orlando Sílvio………………………………………………………………….Edu Silva

Os comentários estão encerrados.